segunda-feira, 10 de novembro de 2008

ESPANHÓIS EM ALTA


Abertura com Arzak discursando


São Paulo foi palco de um dos maiores eventos de gastronomia do país: O 2° Forum Internacional de Gastronomia de São Paulo – MESA Tendências, com o tema Brasil - Espanha: última fronteira da gastronomia. Este evento promoveu o encontro dos principais chefs espanhóis da atualidade. Uma grande somatória de estrelas esteve presente. Todos deram depoimentos, expuseram suas experiências pessoais, explicando as novidades gastronômicas, além de suas receitas.

Esta gastronomia procura realçar os aromas, os sabores, as texturas. Os métodos para se chegar a estes objetivos são extremamente trabalhosos e os ingredientes de altíssima qualidade. Dá para entender porque uma refeição num destes restaurantes é tão cara. Ferran Adrià não gosta do nome de gastronomia molecular. É na verdade uma gastronomia inventiva, com métodos diferentes de cozinhar objetivando resultados inusitados. “Cozinha tecnoemocional” define melhor esta gastronomia. Fazer uma refeição num restaurante dessas estrelas deve ser uma experiência de sentidos inimaginável.

Ferran Adrià

Além de Ferran Adrià, do restaurante El Bulli, e que é considerado hoje o melhor chef do mundo, estavam presentes outros grandes nomes da gastronomia espanhola: Juan Mari Arzak (*** Michelin), o mais velho e precursor desta nova cozinha, Martin Berasategui (*** Michelin), Andoni Luis Aduriz do restaurante Mugaritz (** Michelin) e sétimo melhor restaurante do mundo. Juan Roca, do restaurante Celler de Can Roca (** Michelin e 11° lugar na lista dos melhores restaurantes do mundo) nos surpreendeu com concentrações de sabores e aromas através de destilações. Quique Dacosta, restaurante El Poblet (** Michelin) não pode comparecer, mas enviou seu assistente Juanfra Valiente que deu conta do recado. Preparou uma trufa a partir de um creme de parmesão usando nitrogênio líquido. Aparência de trufa, com aroma através de azeite, e gosto de parmesão. O Nitrogênio líquido está a 80° negativos e congela rapidamente a superfície dos alimentos, deixando o interior com outra textura. Esta técnica foi o motivo da palestra de Dani Garcia, restaurante Calima (* Michelin). Estes foram alguns dos nomes presentes.


Dani Garcia e o prato com tomate feito com um merengue gelatinizado e a superfície congelada pela nitrogênio líquido.

Martin Berasategui


Andoni e Requeijão de leite de ovelha e feno temperado com folhas defumadas de samambaia e abóbora em calda não doce.

Trufa branca do "Montgó" feita com creme de parmesão.

A confeitaria foi representada por Christian Escribà, da Confeitaria Escribà de Barcelona. Ele apresentou bolos perfomáticos que podem até explodir, e anéis feitos com açúcar, verdadeiras jóias comestíveis.


Anéis comestíveis


Frédéric Bau, francês e diretor da L’École Du Grand Chocolat Valrhona, mostrou como usar chocolates em culinária salgada.

Claude Troigros, o francês quase brasileiro, definiu esta gastronomia espanhola como uma diversão. Esteve recentemente conhecendo alguns destes restaurantes e se divertiu comendo. Ele nos preparou um caviar de tapioca e palmito ‘ Os A Moelle’ recheado com foie gras, feito com palmito pupunha. Devem ser fantásticos.

Claude Troigros

A gastronomia brasileira brilhou com chefs que têm alguma característica importante: Alex Atala, restaurante D.O.M., além de ser o elo Brasil – Espanha, é o nosso mais importante chef na atualidade. Está entre os 50 melhores do mundo. Mara Salles, do Tordesilhas, considerado o melhor restaurante de cozinha brasileira, contou um pouco desta culinária, do cerrado e dos peixes da Amazônia. Ana Luiza Trajano, restaurante Brasil a Gosto, trouxe queijos regionais. Ela está com um trabalho de catalogar, resgatar e manter estes fazedores de queijos. Tereza Paim, do restaurante Terreiro da Bahia na Praia do Forte, é uma grande defensora da culinária Baiana típica e do azeite de dendê e Beto Pimentel, de Salvador, restaurante Paraíso Tropical, um defensor das frutas brasileiras.

Alex Atala


Mara Salles, peixe pirarucu (bancada)e pequi (slide)

O debate ‘ A cozinha tecnoemocional’ conduzido pelo jornalista espanhol Pau Arenós, levou a Ferran Adrià chamar todos os seus pares ao palco e foi um dos momentos mais emocionantes. Vários outros momentos emocionaram a platéia e o primeiro foi na abertura com a fala do Arzak. Muito emocionado, disse que nunca todos eles estiveram juntos num evento. Outro momento de muita emoção foi o vídeo que Ferran apresentou com um casal saboreando um jantar. As expressões faciais definiam todas as sensações.





Fotos do debate



Encerramento com todos os chefs esponhóis no palco.








Me perdoem as fotos que não estão de boa qualidade. Valem como lembrança e testemunho.
Não podia faltar a tietagem com Ferran Adrià e Martin Berasategui.

4 comentários:

Anônimo disse...

Ana,
Muito Legal!!!!
Gostaria de ido também.
Abraço,
Fernanda Garcia

Jussara Voss disse...

Oi Ana,
Que pena não te encontrar lá. Foi realmente um evento surpreendente e emocionante! Parabéns pela "cobertura". Vamos juntas no próximo?
Um abraço,
Jussara

Ana Teresa Londres disse...

Oi Fernanda,
Acho que vocês aproveitariam bastante. Vamos tentar reproduzir na confraria o prato do Claude Troigros. O resto não dá nem para tentar. Não temos os equipamentos.
bjs
Ana

Ana Teresa Londres disse...

Oi Jussara,
Num próximo evento vamos combinar.
bjs
Ana