sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

MUITO SAL, AÇÚCAR E GORDURAS NOS ALIMENTOS INFANTIS



Isto não é novidade, basta olhar pelas ruas que vemos uma quantidade enorme de crianças e adolescentes acima do peso. A mídia está sempre falando no assunto e cabe a nós insistir.

Mais uma vez, os alimentos infantis industrializados foram analisados e comprovados como inadequados para alimentação das crianças.

O jornal O Estado de São Paulo do dia 10 de fevereiro publicou o resultado de uma pesquisa sobre o teor de açucares, gorduras e sódio em alimentos infantis realizada pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC). Foram analisados 30 alimentos industrializados (15 bolos e 15 salgados) que usualmente fazem parte dos lanches das crianças brasileiras. A grande parte deles apresentou excesso de sacarose (açúcar), de gorduras saturadas e trans e excesso de sódio (sal).

Segundo a pesquisa, todos os bolinhos têm excesso de sacarose, nosso açúcar comum e que provoca cáries dentárias, além de propiciar obesidade e diabetes. Os piores produtos neste quesito foram SuaviPan muffin orgânico sabor laranja, com 19,7 g de açúcares nos 40 g da porção do produto; Bolinho Ursinho sabor chocolate (Casa Suíça), com 18,9 g na porção de 43 g; Bebezinho recheio de chocolate (Panco), com 25,8 g na porção de 36 g; e Minibolo Laurinha sabor morango, com 12,9 g na porção de 30 g.


Não bastassem os açúcares, a maioria dos bolinhos traz quantidades imensas de gorduras saturadas. Em 100 g de um alimento, mais que 5 g dessa gordura já é considerado exagero. Nos bolinhos, dois deles ainda têm o correspondente ao dobro dessa quantidade: Ana Maria sabor chocolate e baunilha (Pullman), com 6,5 g de saturadas em uma porção de 60 g; e Kid Lat sabor chocolate branco(Parmalat), com 4,0 g em 38 g.

A gordura trans também aparece em quantidades consideráveis em cinco bolinhos. Um deles,o Sítio do Pica-Pau Amarelo (Renata), sabor chocolate, chega a conter 0,9 g de trans em uma porção de apenas 40 g. O máximo permitido pela OMS (Organização Mundial de Saúde) é de 2 g ao dia para um adulto, ou seja, deve corresponder a 1% das calorias diárias.

Falando em gorduras saturadas, os piores resultados ficaram com os salgadinhos Ruffles original e Pringles sabor bacon, respectivamente com 4,7 g e 3,4 g de saturadas por porção de 25 g.

A legislação brasileira aceita o rótulo com 0g de gordura trans quando ela não excede o valor de 0,2 g por porção do alimento. O rótulo do salgadinho de bacon da marca Magikitos consta 0g de gordura trans, sendo que foi encontrado 1,66 g de gordura trans por porção de 35 g do alimento.

A quantidade excessiva de sódio (sal) também foi expressiva, tanto nos bolinhos como nos salgadinhos. Seu consumo em excesso pode desencadear aumento de pressão arterial, já começando na infância. Dos 15 salgadinhos testados, 12 deles contêm elevado teor de sódio. Os piores foram os Cebolitos e Cheetos com surpresa (Elma Chips), Ebicen sabor camarão (Glico), Magikitos sabor presunto (Magitlec) e Yokitos sabor bacon (Yoki), cujo teor de sódio varia entre 262 mg e 332 mg por porção de 25 g, ou seja, 33,3% da recomendação de ingestão diária desse mineral para adultos nesta porção.

Os testes foram realizados no laboratório do Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos da Universidade Federal do Paraná (Ceppa), com produtos adquiridos nas grandes redes de supermercados na cidade de São Paulo entre julho e setembro de 2008. Foram escolhidos alimentos que chamam a atenção das crianças através de figuras como Batman, Shrek, Ursinho Pooh, ou que ofereciam brindes.

Resultado da análise dos bolinhos:


Os resultados encontrados muitas vezes contradizem o que está no rótulo, sendo que esta é a única fonte que o consumidor tem para saber a qualidade do produto que está comprando. Mas não dá para confiar 100% neles. A Anvisa tolera até 20% a mais da substância acima do valor escrito no rótulo, mas muitos produtores não estão atentos a este fato.

Comparando os resultados de seu teste laboratorial com os rótulos, o Idec encontrou diversos problemas, principalmente em relação à gordura saturada.
Na porção de 40 g, o bolinho Gulosos sabor baunilha e chocolate (Bauducco), por exemplo, indica ter 1,4 g de gordura saturada, mas na verdade tem 3,0 g: 114,3% a mais que o informado. Outro exemplo é o bolinho Nhamy sabor morango (Nutrella), que no rótulo indica ter 0,8 g da gordura, mas o teste laboratorial revelou 2,7 g, também na porção de 40g. Uma diferença de 237,5%.

A noticia boa é que alguns produtos apresentaram menor quantidade de gordura saturada e sódio do que a informação do rótulo.

Resultados: Dados incorretos nos rótulos (por porção)1

1Casos em que o nutriente ultrapassou 20% do declarado no rótulo
2A Pepsico informou que já está adequando a informação nutricional a laudos mais recentes por ela obtidos

Precisamos ter em mente que uma criança necessita de uma dieta balanceada, com as calorias divididas entre os Carboidratos os quais contribuem com a maior quantidade do valor calórico, entre 45-65%, sendo que o açúcar de adição pode ultrapassar a 25% de toda a energia. As proteínas entram com 10 a 30% das calorias e gorduras (lipídios) com 25 a 35%. Isto sem falar nas fibras, vitaminas e etc. Lanches diários com essas bombas calóricas e desequilibradas propiciam quadros de obesidade, aumentam o colesterol e triglicérides, e podem levar a hipertensão arterial em crianças e adolescentes.

Vale a pena pensar um pouco antes de encher o carrinho do supermercado.

Veja a pesquisa no site Idec:

2 comentários:

Telma Souza disse...

Oi Ana,
Muito legais estas dicas. Vou indicar às minhas amigas que tem filhos.
Abraços
Telma

Ana Teresa Londres disse...

Vale a pena.
Aos poucos as pessoas vão tendo consciência das "tranqueiras", como dizem as próprias crianças, que comem.
abraços
Ana