sábado, 13 de setembro de 2014

ALMOÇO COM PICADINHO DE CARNE

No último final de semana recebi em minha casa um casal de australianos. Em 1992, eles foram os pais australianos de meu filho que lá passou um ano num programa de intercâmbio. O casal veio conhecer as origens deste filho brasileiro. Passaram pelo Rio, Foz de Iguaçu e Curitiba. Gostaram mais de Curitiba. Cidade menos caótica do que o Rio, mais parecida com as australianas.
Para recebê-los, pensei num cardápio brasileiro, familiar. Comida caseira. Nada de feijoada, moqueca, churrasco ou barreado, prato típico do litoral paranaense. Optei por um bom picadinho, arroz integral, feijão preto, farofa, batatinhas assadas com alecrim e legumes. Cenoura, brócolis e ainda incluí palmito pupunha natural. Cozido em água com sal e um pouco de vinagre e salteado no azeite de oliva. Sobremesas doces, pudim de leite, goiabada cascão mineira com queijo de minas, e ainda, brigadeiro de colher. Gostaram do pudim e da goiabada com queijo, mas o brigadeiro não fez sucesso para eles. Quanto aos vinhos, me perdoem os produtores de vinhos brasileiros, mas escolhemos o italiano Sassoarollo Biondi Santi 2008 e o chileno Don Melchior 1997, da Concha y Toro. Ambos excelentes e harmonizaram bem com o almoço.



A receita do picadinho está no post seguinte.

PICADINHO DE CARNE - RECEITA

A receita deste picadinho foi inspirada no Picadinho do Presidente da Roberta Subrack. Em conversa com meu amigo Aldo Silvano, acrescentamos alho poró, aipo, cenoura e ainda molho inglês. No final o link para o vídeo explicativo da Roberta Sudbrack no programa da Ana Maria Braga.

INGREDIENTES:
15 pessoas

2,5 kg de filé mignon
2 cebolas médias
2 dentes de alho
1 talo de aipo
1 alho poró
1 cenoura
6 a 8 tomates sem pele e sem semente
1/2 xícara de caldo dos tomates
1 litro de demi-glace (caldo de carne concentrado). Usei um caldo industrializado "NOMU fond beef stock " dinamarquês.
Sal a gosto
Pimenta do reino moída na hora a gosto
2 folhas de louro
Molho inglês a gosto
Manteiga
Azeite de oliva
1 colher de sopa de farinha de trigo (opcional)

PREPARO:
Picar a carne em pequenos cubos.
Picar finamente em mini cubinhos a cebola, alho (ou espremer), alho poró, aipo e cenoura. 
Retirar a pele e as sementes dos tomates. Não jogar fora. Coar espremendo bem para sair todo o suco.
Picar em cubinhos os tomates sem pele e sem sementes.
Numa panela de fundo grosso ou frigideira grande fritar a carne aos pouco em manteiga e azeite. Retirar a carne para outro recipiente.
Nesta panela, refogar a cebola, alho poró, aipo, cenoura e por último o alho. Mexendo sempre. Acresentar os tomates e o suco do tomate. Verter o caldo, acrescentar o louro e deixar ferver um pouco.
Em seguida, acrescentar toda a carne e deixar cozinhar cerca de 30 minutos. Se o molho estiver muito ralo, acrescentar 1 colher de sopa de farinha de trigo dissolvida em 1/2 copo de água. Usar uma peneirinha para evitar grumos. Deixar ferver mais 10 minutos com panela destampada.
Acrescentar molho inglês e acertar o tempero (sal e pimenta).

Veja o vídeo da Roberta Sudbrack neste link


sexta-feira, 12 de setembro de 2014

GELÉIAS ARTESANAIS


O bistrot L'Épicerie (Curitiba) está lançando geleias artesanais com a marca Maison L'Épicerie. São cinco sabores: Tomate, framboise, figue, fraise e myrtille. A de tomate, algo apimentada e adocicada, é deliciosa num aperitivo. Acompanha bem um queijo duro, uma mussarelinha de búfala, ou apenas na torradinha. A de figo fica deliciosa junto com uma terrine de foie gras. O adocicado da geleia contrastando com a untuosidade do paté. Todas elas vão bem no café da manhã ou no chá da tarde, para quem tem tempo!

As geleias sendo vendidas no próprio restaurante a partir das 16 horas de terça a sábado. O vidro de 130 gramas custa R$19,00 e o kit com os cinco sabores em tamanhos individuais sai por R$38,00. Novidades ainda virão. Outros produtos, molhos e alguns pratos, estão ainda em fase de testes.

Contato: maison@lepicerie.com.br

Fotos: divulgação L'Épicerie

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

PRÊMIOS BOM GOURMET EM CURITIBA


Ontem foi a festa com a entrega dos prêmios BOM GOURMET promovida pelo jornal Gazeta do Povo. Esta foi a quinta edição. Mais de 100 jurados (eu tive o privilégio de participar na seleção dos chefs 5 estrelas) escolheram os melhores da cidade nas categorias: entradas, pratos, sobremesas, carnes, peixes, massas, asáticos, couvert, petiscos, cafés, sorvetes, pães, cervejas, adega de vinhos, chocolate, feijoada, pastel, carne de onça, sanduíches, pizzas, buffet, e delivery.
Na categoria de chefs - chefs 5 estrelas -  são apontados como os melhores da cidade. Este ano os vencedores foram: Eva dos Santos (Bistro do Victor), Ivan Lopes (Mukeka), Ivo Lopes (La Varenne), Kika Mader (Sel et Sucre) e Manu Buffara (Manu). Todos vencedores e indicados estão de parabéns! Neste link você pode conhecer um pouco de cada chef.
O chef Celso Freire foi homenageado  como um marco na cozinha paranaense. A gastronomia curitibana deve muito a ele e existe uma grande diferença entre o antes e o depois de Celso Freire. Ele retornou a Curitiba após passar um período como chef na embaixada brasileira em Londres. Foi em 1991 que inaugurou o restaurante Boulevard e lá ficou por 15 anos. Muitos dos chefs curitibanos tiveram como escola o Celso e o extinto restaurante Boulevard. Eu mesma aprendi muito com ele através de cursos que ministrava, além de um estágio no Boulevard. Minha visão dos ingredientes e dos preparos mudou totalmente. Hoje Celso dá aulas e se dedica a eventos.

Outro homenageado da noite foi Junior Durski. Chef e proprietário dos restaurantes Madero/Durski. Um grande empresário com mais de 40 unidades que entende do business e também de cozinha, valorizando a qualidade dos produtos. Além das unidades em Curitiba, possui restaurantes em cidades como Camboriú (SC), São Paulo, Goiania e está em negociação para uma parceria na Australia. Uma das novidades do Madero, são as unidades em beira de estrada: Madero Container, três no Paraná (Campo Largo, Palmeira e Fazenda Rio Grande) e uma unidade em Itapema, Santa Catarina.


Um concurso especial desafiou os novos talentos. Coordenado pelo Celso Freire, sete novos chefs receberam como matéria prima básica, uma lagosta (só souberam do ingrediente no dia da prova). Após uma hora para compras no Mercado Municipal com R$200,00, eles rumaram ao buffet Nuvem de Coco, onde o desafio foi realizado e, em duas horas e trinta minutos, prepararam um menu com entrada, prato e sobremesa. Um júri estava a postos para degustar e dar as notas. A vencedora, Débora Cristina Teixeira, 39 anos, fez curso de gastronomia no Centro Europeu, atualmente trabalha no restaurante Manu e faz curso de tecnólogo em gastronomia pela Opet. Neste link há um filme sobre a realização do concurso.

Este ravioli de bacalhau com gema de ovo caipira, restaurante La Varenne, foi a entrada vencedora. Já provei e realmente merece o prêmio! É deliciosa!!!

Acesse o Bom Gourmet e veja todos os premiados de 2014.

Fotos: site Gazeta do Povo/Bom Gourmet

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

NOVOS CAFÉS NESPRESSO

Dois novos cafés intensos estão sendo lançados pela Nespresso. Para uso profissional, os restaurantes e hotéis contarão com o novo café RISTRETTO INTENSO, um Grand Cru de intensidade 12. Produzido a partir de um blend de cafés da Guatelama e do Brasil, este intenso chega a ser até licoroso, cremoso e com notas de pimenta. Para uso doméstico, a partir de primeiro de setembro e por 11 semanas, estará disponível ao consumidor o CUBANIA. Uma edição limitada, intensidade 13, composto de grão arábico colombiano e Robusta indiano. Tem corpo, amargor e ao mesmo tempo doçura. Se preparado com 25 mL de leite quente, lembra um caramelo. Quando adoçado, a sugestão é o uso de açúcar mascavo.
Em Curitiba, o lançamento destes cafés aconteceu no restaurante Trattoria do Victor com um jantar preparado pelos chefs Eva dos Santos (Bistro do Victor) e Claudinei Oliveira (Bar do Victor). Fomos recepcionados com pequenos petiscos e destaco a coxinha de pato, super sequinha e gostosa.  O jantar foi longo e farto. Duas entradas, três pratos e um trio de sobremesas juntamente com o café Ristretto Intenso. Meu segredo para chegar ao fim do jantar bem: NÃO COMER TUDO!
ENTRADAS
Camarão rosa no sal grosso com espaguetti de pupunha
Mousseline de batata baroa com fonduta de grana padano
PRATOS
Pescada amarela com crosta de castanha de caju e sauté de legumes
Pappardelle com ragu de pato
Saltimboca (escalope de mignon com parma e risoto de parmesão)
Depois de saborearmos pratos deliciosos, chegou a vez trio de sobremesas e café: creme de pistache, crostata de chocolate e cannoli de doce de leite e castanha do pará. Para mim, a crostata de chocolate foi o doce que melhor harmonizou com o café.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

UM PASSEIO POR MONTEVIDÉU

Praça da Independência
Recentemente estive em Montevidéu e na região de Punta del Este. Foi minha primeira viagem ao Uruguai. Gostei muito de Montevidéu. Cidade tranquila, plana, ótima para caminhadas. O inconveniente desta época do ano (julho) é o vento gelado que sopra vindo de Mar del Plata, do Polo Sul, mas não choveu. Mesmo com o vento, o sol aquecia um pouco durante o dia e à noite, quando saíamos a pé, procurávamos caminhar bem rápido. Ficamos em Pocitos, limite com Punta Carretas. Bairro muito gostoso, muitas casas, prédios de até 10 andares, praças, cheio de lojas e muitos restaurantes.
Praia de Pocitos
Feira matinal de sábado
O dia amanhecia com neblina. Esta só se dissipava lá pelo meio dia e o sol esquentava um pouco. Nesta hora conseguíamos caminhar pelas ramblas, calçadões que cobrem toda a costa, por mais de 20 km. Mesmo no frio, os moradores estão por lá, fazendo exercício, caminhando, namorando, curtindo um baseado, a maconha é liberada por lá, ou apenas tomando seu chimarrão. Garrafa térmica em um braço e cuia na outra mão. Geralmente em grupinhos, ocasionalmente alguns solitários. Eles dizem que tomar chimarrão sozinho é muito triste. 
Ramblas

Vemos muitos cachorros e poucas crianças. A população uruguaia, um pouco mais de três milhões e trezentos mil habitantes, envelheceu. Não aumenta há muito tempo. Hoje a proporção de idosos é muito maior do que de crianças. Apenas 22% da população tem menos de 15 anos. Atribuem este fenômeno à emigração de adultos jovens que ocorreu na década de 70 e 80, devido a situação política do país e desemprego, e também aos baixos salários praticados atualmente. O salário médio de uma família é muito baixo para sustentar mais de um filho. Nós turistas temos outro parâmetro. Para nós, a vida lá é bem mais barata do que aqui. Hospeda-se em bons hotéis e come-se bem, com um bom vinho uruguaio, gastando bem menos do que no Brasil.
Ramblas
Catedral na Praça da Constituição
Turista passeando
Enquanto a região de Punta Carretas e Pocitos é mais moderna e limpa, a região central está bem decadente. Muitos prédios precisando de manutenção e restauração, principalmente na parte mais antiga. Esta livraria - Más Puro Verso, fica no inicio da parte antiga, rua de pedestres. No segundo andar há um pequeno bar-restaurante. Um bom lugar para uma pausa, um café ou mesmo almoço após caminhada. Bem ao lado fica o Museu Torres Garcia, artista plástico uruguaio, muito bom! Bem próximo, encontramos o Museu Andes 1972. Muito interessante e impressionante. Vale uma visita!
 Más Puro Verso Libreria Brasserie

Andando até o extremo da cidade, chegamos ao Mercado del Puerto. Local com muitos restaurantes de parrillas. Só funciona durante o dia, mas é possível almoçar até 3 ou 4 horas da tarde. Fomos no La Chacra del Puerto que nos foi indicado por um conhecedor de Montevideo. Realmente a carne é excelente! Clique aqui para outros restaurantes do mercado.
 Parrillas no Mercado del Puerto

Bife de Chorizo
O bairro de Punta Carretas está recheado de pequenos restaurantes fáceis de se chegar a pé para quem está hospedado na região. Por sinal, Punta Carretas e Pocitos, ao lado, são os melhores bairros para se hospedar. Existem muitos hotéis na região central, mas eu não ficaria lá. Tudo me pareceu decadente. Jantamos no LaCriolla. Chegamos cedo e ainda estava vazio. Muito boa carne. 

 Restaurante La Criolla
 Bife de Vacio (fraldinha)
Panquecas de doce de leite
O doce de leite uruguaio é tão bom ou até melhor que o argentino. Está presente em muitas sobremesas. Panqueca ou crepe de doce de leite; flan com doce de leite (pudim de leite, mas não é com leite condensado, é menos doce, acompanhado de doce de leite); mousse de doce de leite, sorvete e o que a imaginação criar.
Outro restaurante que gostamos muito foi o La Perdiz. Muito frequentado pelos uruguaios e lá comi a melhor costeleta de cordeiro. Vale a pena. Fica bem cheio e é importante fazer reserva.
Costeleta de cordeiro do restaurante La Perdiz
La Perdiz fica próximo ao shopping de Punta Carretas. Ali funcionou um presídio de 1910 a 1986 quando foi desativado. Um pouco da usa história aqui
As carnes no Uruguai são famosas pelo seu sabor e maciez, sendo o baby beef uma das campeãs. Há um ano foi reaberto o Mercado Agrícola. Cheio de lojas com produtos alimentícios, alguns restaurantes, cafés, espaço para shows. Fizemos uma visita rápida e fotografei esta geladeira e  transcrevi as informações. DRY AGED  BEEF – La maduración de la carne en seco es un método tradicional para crear carne excepcionalmente tierna y sabrosa, el reposo en aire seco produce que las enzimas naturales de la carne actuen sobre fibras musculares, realzando lentamente su ternura y sabor.


Todos os endereços desta postagens estão nos referidos links.