domingo, 14 de fevereiro de 2010

CONFRARIA FEMININA DE VINHOS


Esta semana tive o privilégio de participar da Confraria Feminina de Vinhos. Fui convidada pela Marian Guimarães, uma das fundadoras do grupo. Foi o meu primeiro encontro com este grupo que já se reúne há cinco anos para degustar e conhecer novos vinhos. Sandra Zottis, enóloga, comanda as degustações, que geralmente ocorrem às cegas. Iniciamos com um exercício olfativo, cujo objetivo é melhorar o reconhecimento dos aromas. Muitas vezes você reconhece o aroma e não o identifica; outras vezes você jura que é uma coisa e é outra. Senti um maracujá, e era pêssego; às vezes, você acerta.

Esta degustação foi somente de vinhos tintos. Iniciamos com um sul-africano Glen Carlou feito predominantemente com uva syrah (94%), safra 2006. Inicialmente estava um pouco gelado o que prejudicou a percepção aromática a qual foi se revelando aos poucos, com aroma de frutas vermelhas e um tostado. Os taninos eram macios e apresentava uma persistência média. Um pouco alcoólico (14,5%) para meu gosto. É um vinho que custa R$ 116,00. Dei nota 84. Foi uma nota média no grupo.


Passamos ao segundo vinho que gostei bastante e achei que era do velho mundo, mas me enganei. Era um argentino, Brioso, da Susana Balbo, 2005. Este vinho tem um toque bordalês e é feito com várias uvas (Cabernet Sauvignon 65%, Malbec 15%, Cabernet Franc 10%, Petit Verdot 5%, Merlot 5%). É um vinho intenso, com aromas suaves de baunilha, caramelo, cerejas. Bem equilibrado no tanino e na acidez. Minha nota foi 90. Nota máxima no grupo. Tem 92 pontos no Robert Parker e ganhou medalha de ouro no Hyatt Wine Awards 2007. Acompanha bem carnes vermelhas, pato, cordeiro e custa cerca de R$ 150,00.

As uvas deste vinho são provenientes de parreiras de 20-30 anos, cultivadas a 900 metros de altitude, na região de Mendonza. A colheita é manual e o vinho amadurece 14 meses em barricas novas de carvalho francês. Ele pode ser guardado por até 15 anos.

Susana Balbo é uma das enólogas mais importantes da Argentina, com reconhecimento internacional, e uma das proprietárias da vinícola Dominio del Plata. Formou-se em enologia em 1981 e foi trabalhar em várias partes do mundo, Chile, Califórnia, África do Sul, França, Itália e Espanha, com o objetivo de conhecer melhor cada região. Na Argentina fez vinhos em muitas vinícolas, inclusive na Catena Zapata. A partir de 1999 conseguiu realizar o sonho de fazer seus próprios vinhos.

O terceiro vinho foi o meu preferido: o italiano Barolo da Prunotto, safra 2004, feito com a uva Nebiolo. Tem 14% de álcool e custa cerca de R$ 148,00. É um vinho intenso, aveludado e que está bebendo muito bem, mas pode ficar descansando na adega ainda por alguns anos. Tem boa persistência, bons taninos e acidez equilibrada. Senti um aroma de grama, um pouco herbáceo. Dei nota 92.

A Prunotto é uma vinícola de mais de um século na região de Alba, Piemonte. Teve sua primeira colheita em 1905 e Alfredo Prunotto foi um dos primeiros proprietários. Atravessou várias crises, mudando de mãos, mas o ideal de Alfredo sempre foi mantido. Hoje pertence à família Antinori. Possui 50 hectares de vinhedos nas melhores regiões do Piemonte e uma adega moderna.

A degustação terminou com o argentino Alfa Crux blend, 2003, produzido pelo O. Fournier. Feito com 50% de uvas Tempranillo, 40% Malbec e 10% Merlot e tem 14,5% de álcool. Este vinho recebeu 91 pontos na Wine Spectator. A garrafa que tomamos foi doada à confraria por um amigo da Marian.

7 comentários:

Marian Guimaraes disse...

Querida Ana, suas observações estão maravilhosas. Tinha certeza que sua participação em nossa confraria iria acrescentar, e muito. Deu certo.
abs
Marian

Marian Guimaraes disse...

Querida Ana, suas observações estão maravilhosas. Tinha certeza que sua participação em nossa confraria iria acrescentar, e muito. Deu certo.
abs
Marian

Ana Teresa Londres disse...

Oi Marian, Já estou com pena de não participar no próximo mês, mas será por justa causa. Realmente gostei.
bjs
Ana

Mônica disse...

Parabéns Ana!!!
Você tem uma capacidade de síntese fantástica. Resumiu com maestria os pontos fortes de nosso encontro e nos proporciou ótimo material para os anais da Confraria Feminina do Vinho.
Mais uma vez, seja muito bem vinda!
Beijo grande
Mônica

sandraz disse...

Ana,

seja muito bem vinda na nossa confraria. Tenha certeza que faremos grandes encontros.
Um grande abraço
Sandra Zottis

Anônimo disse...

Olá Ana, seja bem vinda a nossa confraria, será um grande prazer tê-la conosco. Eu gostei tanto do vinho Italiano que bebemos, que acabei comprando um e dei de presente para meu marido. O único detalhe é que ele custou um pouquinho a mais. Mas ele é ótimo mesmo!
Sueli Rita Floriani de Martínez

MÁRCIA TOCCAFONDO disse...

Ana querida. Superparabéns pelo belíssimo texto. Você até pode demorar como diz...mas fica perfeito. E isto faz toda diferença. Beijos,